terça-feira, 2 de junho de 2009

AF447: o vôo perdido.



Com muita tristeza e dor, que digo que sou solidária aos familiares e amigos das vítimas do vôo AF447 da Air France. A dor é imensa, parece que foi comigo.
E além dos irmãos de pátria, brasileiros, havia estrangeiros apaixonados pelo Brasil! Pessoas que literalmente deram suas vidas em favor de fazer o bem a brasileiros em plena desgraça proveniente das inundações recentes.
Dói demais saber que as pessoas que os amam, nunca mais os terão por perto pq vieram aqui se doar, ou visitar a cidade maravilhosa em plenas férias como outros, ou a trabalho, ou, ou, ou...
Infelizmente, o desastre foi real e nada pode ser feito.
FAB resgatando fuselagem do Airbus 330 da Air France
A Air France, eu diria que isso pouco mudará a rotina de quem voa, mas que é preciso haver mais atenção na máquina como um todo. Pq arriscar, nós já sabemos que não vale à pena. E não valeu! Bem fazem os pilotos que hoje, não arredam os pés do chão se algo está errado, como fez o piloto que voava da Espanha para Canárias e voltou ao aeroporto 9 mins de vôo depois. Nem pediu permissão à torre, foi logo INFORMANDO que está voltando.

No início eu e meus familiares ficávamos tentando entender o quê aconteceu e como foi tudo.
O Airbus 330 é uma aeronave maravilhosa!!! Eu sempre gostei de voar em Boings e Jumbos por serem muito confortáveis em tudo e principalmente em espaço pra mim, que sou alta e tenho as pernas longas. Quando voei de Airbus, foi paixão a primeira vista! Quem voa sabe do que falo. Minha mãe também sofreu muito com o acidente. E quando eu falei pra ela que na terceira vez que ela entrou em um avião, foi num Airbus 330 da TAM, seus olhos quase saltaram do seu rosto! Na hora ela percebeu que segurança, conforto e luxo os passageiros tinham. E o que haveria acontecido então com aquele avião imeeeeeeeesssoooo???????????? Ela sofreu comigo mais uma vez...
Enfim... A dor é irreparável. Pois a perda de pessoas amadas e tão apaixonadas pela vida, pelo Brasil, pelo recente casamento, pela dor de perder o pai e voltar pra casa, pelo trabalho no exterior pela primeira vez, pelo primeiro vôo internacional, pelas férias geradas por 12 meses, pela reunião de negócios importante, por isso, por aquilo e por tudo...
... é de doer sem parar de latejar! Não dá pra não sentir nada!
Sinto-me de luto. Sinto-me com perda. Sinto-me com dor.
Que o Espírito Santo console as famílias e aos amigos que ficaram com uma dor imensa, com a saudade eterna e com a incerteza de reencontrá-los por uma última vez!
Que a Air France nunca mais "pisque seus olhos" nas manuntenções!

Nenhum comentário:

Postar um comentário