quarta-feira, 9 de abril de 2008

Um Salmo. Várias verdades.

Um jeito diferente de olhar para o Salmo 23: traduzido.
Boa leitura e aproveite cada gota!
Bjs...

_____________________________________

Salmos 23 - Versão Internacional.

O Senhor é o meu Pastor,
Isto é relacionamento!

nada me faltará.
Isto é suprimento!

Deitar-me faz por verdes pastos,
Isto é descanso!

Guia-me mansamente a águas tranqüilas.
Isto é refrigério!

Refrigera a minha alma.
Isto é cura!

Guia–me pelas veredas da justiça,
Isto é direção!

Por amor do Seu nome.
Isto é propósito!

Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte,
Isto é provação!

não temerei mal algum,
Isto é proteção!

porque Tu estás comigo,
Isto é fidelidade!

A tua vara e o teu cajado me consolam.
Isto é disciplina!

Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos.
Isto é esperança!

Unges a minha cabeça com óleo
Isto é consagração!

o meu cálice transborda.
Isto é abundância!

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida
Isto é bênção!

E eu habitarei a casa do Senhor
Isto é segurança!

por longos dias.
Isto é eternidade!

3 comentários:

siceridade disse...

Nem sempre as coisas acontecem como queremos e nem sempre falamos o que sentimos. Sei que lhe devo desculpas e vc também me deve.
Tento ser a melhor que posso, assumindo meu lado passivo, mas de repente, já estou agindo impulsivamente e o que não era para acontecer, acaba acontecendo…
Vou tentar não cometer os mesmos erros. Não queria e não quero te machucar…
Você de qualquer forma está do meu lado e é um ponto bom,um lado bom do que realmente seria.
Assim que você for capaz de me entender, eu também serei capaz de melhorar e mudar.
Me desculpe por uma coisa tão idiota e que me arrependi... Receba esta mensagem, carregada de desculpas…

sinceridade disse...

O Velho e o Neto

Era uma vez um velho muito velho, quase cego e surdo, com os joelhos tremendo. Quando se sentava à mesa
para comer, mal conseguia segurar a colher. Derramava sopa na toalha e, quando, afinal, acertava a boca,
deixava sempre cair um bocado pelos cantos.
O filho e a nora dele achavam que era uma porcaria e ficavam com nojo. Finalmente, acabaram fazendo o velho
se sentar num canto atrás do fogão. Levavam comida para ele numa tigela de barro e - o que era pior - nem lhe
davam bastante.
O velho olhava para a mesa com os olhos compridos, muitas vezes cheios de lágrimas.
Um dia, suas mãos tremeram tanto que ele deixou a tigela cair no chão e ela se quebrou. A mulher ralhou com
ele, que não disse nada, só suspirou.
Depois ela comprou uma gamela de madeira bem baratinha e era aí que ele tinha que comer.
Um dia, quando estavam todos sentados na cozinha, o neto do velho, que era um menino de oito anos, estava
brincando com uns pedaços de pau.
- O que é que você está fazendo? - perguntou o pai.
O menino respondeu:
- Estou fazendo um cocho, para papai e mamãe poderem comer quando eu crescer.
O marido e a mulher se olharam durante algum tempo e caíram no choro. Depois disso, trouxeram o
avô de volta para a mesa. Desde então passaram a comer todos juntos e, mesmo quando o velho derramava
alguma coisa, ninguém dizia nada.

Morena disse...

Tá? Hã? Mas quem é vc?
Não posso avaliar nada no escuro, concorda?
Não creio que sejas uma pessoa incoerente. Caso contrário não assinaria como "Sinceridade".

Postar um comentário